Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Eu e os Pássaros, os Pássaros e Eu.

 

 

Já toda a gente que me visita sabe que eu e os pássaros temos um pequeno "problema de sociabilização": eu fujo deles a sete pés mas eles vêm atrás de mim na mesma. Eu bem os afujento mas eles são teimosos. Não há palminhas nem batidelas de pés que os façam fugir de mim.

 

Algumas vezes, há passarinhos que entram pela minha chaminé adentro (é a consequência de morar num 3º andar onde a rede da chaminé emigrou para parte desconhecida) e eu oiço o chilrear logo pela manhã. Hoje foi um dia desses. De manhã tive uma reunião na Pinguinolândia ( lá está a passarada outra vez...) e quando acordei e fui à cozinha, lá estava um a chilrear.

 

Quando regressei a casa, o N. disse-me que estava um passaroco na chaminé. Tivémos que desmontar o exaustor para tirar de lá o bichinho. O N. pediu-me ajuda e eu comecei logo com os meus fernicoques. Mesmo mortito, é um pássaro!

Se vocês vissem a minha figura... fui buscar um saco de plástico, meti um braço a tapar os olhos e cerreio-os à espera de sentir o impacto do bicharoco dentro do saco. Argh! Lá foi o bichinho para o saoc do lixo, coitadito. E isto por causa dos incompetentes que andaram aqui a arranjar o telhado. Será que se pode pedir um indemnização?!

 

Sabem quele filme do Hitchcock intitulado "Os Pássaros"? Pois é, sempre que saio à rua sou "obrigada" a viver o fim do filme: sou eu a passar e os pássaros a serem atraídos por mim como se eu fosse um íman, vêm atrás de mim como zombies e vêm a voar de todos os cantos. Socorroooo! Lá vou eu a correr para dentro do carros com medo daquela revoada de pombos! Mas eu sei o porquê. é que há uma porcas que mandam comida da janela para baixo para dar de comer aos bichos e outras que vêm pôr comida na rua em caixinhas, por isso, assim que os pombos veem pessoas, aproximam-se à espera que lhes dêem comida...

 

Por acaso tenho ali uns bagos de milho... não sei se os dê aos pombos ou se faça pipocas... e vocês o que fariam? :P

 

Os Pássaros - Remake?!

 

Conhecem aquela obra-prima de Alfred Hitchcock intitulada “Os Pássaros”? Considero este filme, um grande filme de terror. Será que se lembram porquê? Isso mesmo! Tem a ver com a minha fobia a pássaros, nomeadamente pombos que são aqueles com os quais mais me cruzo. Eu detesto “adoro” pássaros!

 

Hoje, a caminho do meu descafé-despertador matinal, encontrei-me no meio de uma revoada de pombos… Parecia mesmo uma das cenas finais do tal filme, em que os pássaros voltam em força à casa. Argh! Que medo!

 

Pensei logo que estariam a fazer um remake do filme, versão tuga. Ainda procurei pela equipa de filmagem mas, não vi ninguém. Por isso, algo de errado se passa… Ou se calhar eu é que tenho alguma coisa que anda a atrair a pombalada toda. Passo a explicar: de há uns dias para cá, sempre que eu ando na rua, os pombos fazem-me voos rasantes e, alguns, até querem chocar comigo. Eu é que me desvio…

 

Após reflexão sobre o assunto, as ilações a que cheguei são as seguintes:

 

1ª Devo ter cara de milho ou de arroz ou de pão… não me parece… (olhem lá pa foto e digam o que acham);

 

2ª A pombalada anda toda míope e a precisar de óculos… hummm… complicada, esta;

 

3ª É um teste ao meu terror amor aos pássaro… possível, possível;

 

4ª Estou um verdadeiro “borracho” e eles querem arrastar-me a asa… argh!... Sem comentários;

 

5ª O sentido de orientação pombalar anda um bocadinho desactualizado…  arranjar GPS “grates” para pombos desorientados;

 

6ªDevem querer ir para o forno pombal para aquecer as patas e querem boleia até lá… Hummm!

 

Estes pombos estão cada vez mais atrevidos. Um dia destes, um deles veio atrás de mim para o café. Até lá dentro entrou. Vasculhou todo o café à procura de migalhas e eu nem me mexi do lugar, foi só para disfarçar a minha presença, não foi por mais nada…

 

E a primavera chegou mesmo, apesar de não darmos por ela. Até os pombos andam apaixonados. Um dia destes assisti a uma cena caricata. Tinha sido um dia de chuva abundante, pelo que as ruas estavam cheias de poças. Se enchem o bandulho de migalheiras, têm de beber água. Ora estava uma pombinha toda deliciada a beber umas gotinhas de água, de biquito na água e de rabinho para o ar, quando um pombo atrevido resolveu fazer-lhe a corte pelas traseiras… Todo ele inchou, fez malabarismos, arrulhou, rodopiou e debicou. A pombinha nem tchum! Ficou ali, sugadita, a beber água. E fez ela muito bem…

 

Concluo daqui, que já nem as pombas se safam. Não acham que isto é mesmo comportamento à gajo macho?!?!? Onde já vi isto?!?!?

 

Indignada!

 

Já todos sabem que eu gosto muito de ir tomar o meu (des)café pela manhã para ver se espevito os neurónios. É aquela ilusão de que ficamos mais dispertos e predispostos a trabalhar. O café até pode dar um choque de adrenalina mas o (des)café… é ilusão mesmo!!!

 

Sai de casa toda feliz e contente (?) em direcção ao café, ansiosa pelo precioso líquido castanho. Assim que chego à porta do café, levo logo com uma revoada de pombos em cima! ARGHHHH!

Vocês sabem que eu detesto pássaros, não sabem (apesar de não os poder ver doentes ou maltratados que morro do coração!)? Agora imaginem os efeitos de um esncontro destes logo pela manhã! Ia chocando com outras pessoas que vinham a sair do café e até me saiu um involuntário “porra para a porcaria dos pombos!!!”

 

Entrei e dirrigi-me ao balcão. Já é tradição. As brincadeiras do costume com os donos do café e aproveito para fazer queixas dos pombos, que não têm culpa de nada. Já explico porquê.

Bebi o meu (des)café, paguei e dirigi-me à porta. Passei-me! Chamei logo um dos donos do café! Então não é que agora há um velho e uma velha que andam a recolher o resto dos bolos que as pessoas deixam nos pratos para dar aos pombos?!?

Disse logo ao velhote “Oiça lá, não ponha isso aqui à porta que fica tudo um nojo (e fica!) e além disso vêm os pombos todos para a porta… Ponha isso afastado daqui!” O senhor J. também foi logo avisar que não queria aquilo ali.

Estão a ver o filme do Hitchcock intitulado “Os Pássaros!? Pois foi uma cena destas que eu vivi! Argh!

 

Indignação número dois: há um pitt bull lindo, branco e castanho, aqui no bairro de realojamento pertencente aos ciganos. Já há algum tempo que não o via. Hoje cruzei-me com ele e fiquei com o coração tamanho de uma ervilha. O cão está esquelético. Deve passar muita fome. Pensei logo que teria de fazer alguma coisa. Cheguei a casa e fui buscar uma caixinha com cereais do Bóbi para lhe dar.

Só vos digo que o cão é um amor e é mal empregado não ser estimado. Estive a dar-lhe cereais à mão e percebi que o cão é muito novo pois tem dentes de bebé… :/ O bichinho ficou tão contente e agradecido que se fartou de me dar beijinhos e pedir-me festinhas. Só me apeteceu trazê-lo para casa. Acabei por deixar a caixinha de cereais num cantinho e vir-me embora. O animal é muito meiguinho e brincalhão. É uma pena não ser tratado condignamente.

Que me aconselham a fazer? É uma pena este animal ser ensinado a ser mau para depois entrar em lutas de cães e ter um fim trágico. Aceito sugestões…